segunda-feira, 26 de agosto de 2013

As marés negras da nossa alma

Mais uma vez somos confrontados com uma catástrofe ecológica de dimensões ainda incalculáveis: uma plataforma de petróleo da BP no Golfo do México sofreu uma violenta explosão no dia 20 de Abril, com a perda de 11 vidas humanas, afundando-se dois dias depois, ao largo da costa do Estado da Louisiana (EUA). Segundo as agências noticiosas, desde então detectaram-se pelo menos 3 fugas de petróleo, tendo-se vindo a derramar no mar cerca de 210 000 barris de petróleo por dia, causando uma vasta mancha negra a destruir os ecossistemas marinhos e do litoral dos EUA (Louisiana, Florida, Alabama e Mississipi). O mau tempo que se tem verificado nesta zona tem aumentado a velocidade e extensão desta mancha negra, observando-se mesmo do espaço (em cima pode ver-se uma imagem de satélite da Agência Europeia Espacial).

Numa maré negra, habitualmente causada pelos grandes petroleiros que continuam a cruzar os oceanos, quer por acidente, quer por limpeza criminosa dos seus tanques (por ano, continuam a ser derramados cerca de 600 000 litros de petróleo bruto nos mares sem que ninguém assuma responsabilidades), uma das primeiras calamidades é o facto de o manto espesso de crude impedir a passagem dos raios solares de modo a realizar-se a fotossíntese, destruindo-se a flora marinha (e.g., algas), possibilitando a proliferação de organismos anaeróbicos (e.g., bactérias) aniquilando, por consequência, a fauna marinha. A par desta calamidade, qualquer ser vivo, peixe, mamífero ou ave atingidos por este manto, são rapidamente envenenados, imobilizados e sufocados por este. Por fim, os efeitos destas marés negras persistem no tempo, mesmo depois das limpezas aparentes, pela demora com que os ecossistemas se recuperam e pelas substâncias carcinogénicas e tóxicas que permanecem nas águas, absorvidas pela fauna e flora, causando mutações genéticas, doenças e toxinas que, eventualmente, vão parar à nossa mesa.

Aparentemente, o ser humano é o único ser vivo que continua a encontrar mais virtudes do que defeitos no petróleo, apesar de ter ao alcance da mão energias limpas renováveis (solar, eólica, hidráulica, marés), mas isso não é de admirar: é igualmente o único ser vivo que considera normal poluir as águas, rios e mares de que depende a sua vida, é o único a achar que pode continuar a destruir tudo e mais alguma coisa, na terra, no ar e no mar, a seu bel-prazer, simplesmente porque tem o poder de o fazer. E, portanto, o ser humano, em vez de resolver o problema pela raiz, prefere continuar a reunir em conferências internacionais peritos em conter e lavar derrames de petróleo (vejam a International Oil Spill Conference, por exemplo), perpetuando os lucros das grandes companhias petrolíferas e dos seus investidores, à custa de um ataque constante à nossa biodiversidade. Mas não faz mal, o que importa é termos especialistas para nos ensinarem a lavar as marés negras da nossa alma.

O grande desenhador argentino Joaquín Lavado (Quino) tem abordado estes e outros temas, criando verdadeiros cartazes que gritam bem alto contra as injustiças e misérias deste mundo, políticas, económicas, sociais e ecológicas. O seu "Moderno Testamento - Génesis do Fim"(1), é admirável e profético, caso não se trave a monstruosa e louca ganância que prolifera neste mundo. Aqui fica esta espantosa reflexão:


Quem nos dera estarmos enganados...

Imagem acima:

(1). Quino, "Moderno Testamento - Génesis do Fim" in Não fui eu!, Bertrand Editora, Venda Nova, 1995, p.93.

domingo, 10 de abril de 2011

Blogue em remodelação

Devido a problemas informáticos e a uma carga informativa não comportada por este modelo de blogue da Google, alongando demasiado o tempo da sua visualização, "O Museu Aberto" viu-se obrigado a uma remodelação, a apresentar breve, com novidades. Já falta pouco... Obrigada pelas vossas visitas!

terça-feira, 21 de setembro de 2010

A SPEA chama atenção para o futuro da Biodiversidade

Uma oportunidade a não perder:

"A exposição A Biodiversidade e Nós é uma iniciativa que visa alertar para a importância da conservação da biodiversidade e a sua influência no nosso dia-a-dia.

No âmbito do Ano Internacional da Biodiversidade, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) com o apoio da SIMTEJO e da Rede Rural Nacional organizaram uma exposição dedicada à Biodiversidade, que estará presente no centro comercial Vasco da Gama (Lisboa) entre 18 e 29 de Setembro. Nos próximos dias 18, 19, 23, 24, 25 e 26 de Setembro os mais novos podem também Brincar com a Biodiversidade, das 17h às 21h na quinta e sexta-feira e das 12h às 21h, durante o fim-de-semana".

Para mais informações contactar:
Luís Costa
Director Executivo da SPEA
TLM 91 692 1419,
e-mail luis.costa@spea.pt
SPEA
Sede Nacional National Headquarters
Avenida João Crisóstomo, nº 18 – 4º Dir. 1000-179 Lisboa – Portugal
Tel. +351 918 46 82 33 Fax. +351 213 220 439 http://www.spea.pt

Campanha de angariação de donativos ajuda ave mais ameaçada da Europa


Está quase a terminar a campanha organizada pela SPEA:

"A campanha dinamizada pela SPEA entre 26 de Agosto e 26 de Setembro, precisa de angariar 7000€ para ajudar os trabalhos de recuperação do habitat da Freira da Madeira.

Na última semana a Madeira sofreu incêndios sem precedentes que arrasaram todo o maciço montanhoso central da ilha e cerca de 92% do Parque Ecológico do Funchal. O impacto na flora e na fauna foi devastador, sobretudo para a Freira da Madeira, a ave mais ameaçada da Europa na actualidade. Com o objectivo de tentar minimizar os danos, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves colocou em marcha um pedido de donativos, para viabilizar uma série de trabalhos de recuperação do seu habitat, em colaboração com o Parque Natural da Madeira (PNM). A urgência de assegurar essa quantia prende-se com a necessidade de adquirir uma manta anti-erosão, material para criar os ninhos artificiais e remoção de vegetação exótica, equipamento de montanha e assegurar as despesas de pessoal especializado".

Comunicado disponível aqui.

Para mais informações contactar:
Ana Isabel Fagundes
Coordenadora da SPEA-Madeira
TLM 967 232 195
e-mail madeira@spea.pt


Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves
Portuguese Society for the Study of Birds
Sede Nacional National Headquarters
Avenida da Liberdade, 105 – 2º Esq. 1250-140 Lisboa – Portugal
Tel. +351 213 220 430 Fax. +351 213 220 439 http://www.spea.pt/

Para outras informações sobre esta ave e sobre o Projecto SOS Freira do Bugio, do Programa Marinho da SPEA, clicar na imagem acima.

Encontro "Património Natural e Cultural: Construção e Sustentabilidade!", 18 de Outubro, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

O GECoRPA informa:

"O GECoRPA - Grémio das Empresas de Conservação e Restauro do Património Arquitectónico, a QUERCUS - Associação Nacional de Conservação da Natureza e a Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional dos Monumentos e dos Sítios (ICOMOS) organizam o encontro “Património Natural e Cultural: Construção e Sustentabilidade!”, com o objectivo de promover a salvaguarda do património natural e cultural como via para a sustentabilidade no ordenamento do território e na construção.

O presente encontro, tem como objectivos concretos:

I. Evidenciar os múltiplos impactos da construção, das opções estratégicas com ela relacionadas e dos sectores de actividade a montante e a jusante, sobre o património natural e o património cultural, em particular na sua vertente património construído a proteger;
II.Demonstrar que as estratégias tendentes a conservar o património natural e a reabilitar e valorizar o património construído contribuem, simultaneamente, para a sustentabilidade do sector da construção, em particular, e para o desenvolvimento sustentável do País, em geral.

O encontro, que terá lugar segunda-feira, 18 de Outubro de 2010 no auditório 3 da sede da Fundação Gulbenkian, em Lisboa, tem como destinatários todos os decisores e agentes dos sectores ligados ao ordenamento do território, ao planeamento urbano, à construção e à gestão do edificado e da infra-estrutura – arquitectos, engenheiros, economistas, promotores, gestores, empreiteiros, formadores -- interessados em contribuir, na sua esfera de actividade, para uma melhor aplicação dos princípios do desenvolvimento sustentável.

Mais informações (programa e ficha de inscrição) aqui".
GECoRPA
Tel.: 213 542 336
Fax: 213 157 996
construcaosustentavel@gecorpa.pt

domingo, 12 de setembro de 2010

As 7 Maravilhas Naturais de Portugal

Eleger apenas 7 "Maravilhas Naturais" entre 21 candidaturas finalistas, num país onde cada região se apresenta única, em biodiversidade, riqueza patrimonial, beleza e encanto, é sempre complicado, tal como já o foi escolher as 7 Maravilhas do Património Português no Mundo. Com um sucesso cada vez maior, este novo concurso das 7 Maravilhas veio agora dar a conhecer aos portugueses o Património Natural de Portugal continental e Ilhas, como meio de o valorizar, de sensibilizar e de promover a sua salvaguarda, protecção e conservação.

Como Luís Segadães, Presidente da New 7 Wonders Portugal, explicou ao Diário de Notícias(12/09/2010): "os portugueses não querem saber daquilo que não conhecem. Por isso fizemos este esforço para dar a conhecer ao nosso país aquilo que ele tem de mais belo", acrescentando que tinha sido "um evento de grande escala que pretendia promover na opinião pública a protecção do ambiente".

No site do concurso (clicar na imagem acima) entre vídeos, reportagens, e outras curiosidades, são ainda apresentados os 7 Mandamentos das Maravilhas Naturais - as 7 boas práticas a ter em espaços de natureza, quando os visitamos, e que é fundamental cumprir, para a preservação de um Património Natural que é de todos, seguindo uma educação ambiental e cultural que conduza a um turismo mais consciente e responsável.

Foram ontem finalmente conhecidos os resultados dos 656.356 votos, durante o espectáculo de gala da Declaração Oficial das 7 Maravilhas Naturais de Portugal, nas Portas do Mar, em Ponta Delgada (S. Miguel, Açores). Alcançaram este título as seguintes "7 Maravilhas Naturais de Portugal":

Categoria Florestas e Matas: Floresta Laurissilva da Madeira (igualmente Património Natural da Humanidade).




Categoria Áreas Protegidas: Parque Nacional da Peneda-Gerês, Minho (Reserva Natural).




Categoria Grutas e Cavernas: Grutas de Mira d'Aire (no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros).





Categoria Zonas Aquáticas Não-Marinhas: Lagoa das Sete Cidades, S. Miguel, Açores (Paisagem Protegida).




Categoria de Praias e Falésias: Portinho da Arrábida (Setúbal).




Categoria de Zonas Marítimas: Ria Formosa, Algarve (Zona Húmida de Interesse Nacional).



Categoria de Grandes Relevos: Paisagem Vulcânica da Ilha do Pico, Açores (a Paisagem da Cultura da Vinha desta Ilha é Paisagem Cultural -Património da Humanidade).


Parabéns aos vencedores, pela sua beleza e riqueza patrimonial natural ímpares! E parabéns, igualmente, aos vencidos, vencidos somente pela limitação numérica de Maravilhas possíveis...

Uma última nota, menos positiva: o tema da coreografia do espectáculo de gala pretendeu ilustrar, em sete actos, os diversos estados de alma (dos mais negativos e deprimentes, aos mais positivos e eufóricos) numa progressiva consciencialização do Homem para a beleza e protecção do Património Natural. Lamentavelmente, apenas a apresentação, entre cada acto de dança, das imagens das belas paisagens a concurso, relembrava ao espectador o propósito do espectáculo.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

"Morte estática" no Golfo do México

Há que concordar, o petróleo é útil - usamo-lo nas fábricas, marinha, aviação, exército, nos carros, em máquinas diversas, obtemos variadíssimos produtos utilíssimos (como toda a gama dos plásticos, por exemplo). Mas o que quer que possamos dizer de bom dele, a verdade é que o petróleo é ecologicamente inviável. É uma forma de energia suja, que nos envenena o ar e todos os organismos vivos. O petróleo envenena e intoxica as plantas e os animais aquáticos ou marinhos - plâncton, peixes, crustáceos, moluscos, aves. Cobre a superfície da água com a sua matéria espessa e oleosa, impedindo a passagem da luz, matando todos os microorganismos e organismos que dela necessitam para a sua sobrevivência; recobre os peixes, mamíferos e aves com um manto pegajoso que lhes tapa os poros da pele, inutiliza escamas, barbatanas, penas e asas, e os paralisa e sufoca numa lenta e horrível agonia, até à morte.

Abaixo estão duas imagens dessa agonia, um cartoon e o seu correspondente real, que nos lembra que, para a esmagadora maioria dos seres vivos que anteriormente polulavam nas águas e acima das águas da área afectada pelo derrame do Golfo do México, a ajuda humana com os seus detergentes e boa vontade, chegou tarde ou nem chegou sequer. Lembra-nos, igualmente, que o assunto não é para rir. É só pormo-nos no lugar da ave marinha - algo impossível, na verdade; nós sempre vamos tendo os meios e a capacidade de nos limparmos a nós mesmos do crude; os animais não.
O cartoon é de Paul Combs, tendo sido publicado no "The Tampa Tribune". A imagem da ave marinha é da internet.

Segundo as notícias transmitidas pela BP, o poço de petróleo do Golfo do México terá sido finalmente fechado, através de uma manobra a que chamam "morte estática" e que consistiu em lançar lama para dentro do poço de petróleo. No entanto, a sua selagem definitiva, com cimento, ocorrerá apenas daqui a uma semana. Será com certeza relevante lembrar que a 15 de Junho a BP havia anunciado o êxito do tamponamento temporário deste poço... apesar deste continuar a verter petróleo para o oceano. Congratulemo-nos portanto, ficando "de pé atrás" com este seu novo êxito.

De qualquer modo, como pode ser verificado no contador do derrame de petróleo, algumas mensagens mais abaixo, o cômputo final do desastre parou hoje, 4 de Agosto de 2010, aos 92 340 117 barris de crude lançados ao mar. Outros cálculos serão mais modestos, outros ainda serão mais catastróficos. Enfim, cálculos há muitos, mas certezas há poucas.

O que se pode dizer com total certeza é de que este derrame de petróleo constitui o pior desastre ecológico de todos os derrames de petróleo, ultrapassando de largo, o desastre do Exxon Valdez, no Alasca, em 1989. O desastre ecológico do Golfo do México entrou assim, da pior maneira, para o Hall of Fame dos atentados ao meio ambiente. E, apesar dos seus esforços, a BP, em vez do Óscar, merecerá antes a Framboesa de Ouro.

Convido ainda a visita a dois sites muito interessantes sobre este tema. O primeiro é um infográfico, que explica, através de imagens comparativas, a dimensão deste desastre; o segundo é um mapa da Google, que sobrepõe a área do desastre a qualquer zona do globo, ajudando-nos a apercebermo-nos das dimensões do desastre e do que sentiríamos se tivesse ocorrido na localidade onde moramos, na nossa casa...
Infográfico de David MacCandeless: "Podemos dar-nos ao luxo de derramar petróleo?" (05/05/2010)

"E se [o derrame de petróleo] fosse na minha casa?" - If it was my home (Visualizing the BP Oil Spill /Disaster).

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Museu da Cortiça: Conclusões


A Jornada de Reflexão sobre o futuro do Museu da Cortiça (Fábrica do Inglês, em Silves), realizou-se no dia 26 de Junho. Nesse encontro foi produzido um documento com as Conclusões, já se encontra disponibilizado no site do ICOM-Portugal, e ao qual se pode aceder, igualmente, aqui.

É de notar que este museu, com um dos maiores espólios documentais existentes sobre a indústria e exportação da cortiça, em Portugal, remontando a 1870, onde foram investidos 12 milhões de euros, foi inaugurado em 1999 e recebeu o Prémio Luigi Micheletti, como o Melhor Museu Industrial Europeu em 2001. A insolvência do maior accionista da Fábrica do Inglês, o grupo Alicoop, levou o museu a encerrar portas a 18 de maio de 2010.

Pede-se no documento das Conclusões que, de uma classificação de "imóvel de interesse municipal", se passe, pelo menos, para a classificação de "imóvel de interesse público", como uma das medidas urgentes de protecção legal e salvaguarda do património imóvel e integrado que o constitui.

De ora em diante, infelizmente, visitas apenas na sua página Web:

domingo, 20 de junho de 2010

José Saramago (1922-2010)

No dia 18 de Junho, na sua casa em Lanzarote, partiu deste mundo José de Sousa Saramago, Jornalista, Argumentista, Dramaturgo, Escritor, Poeta, Pensador, Humanista, Prémio Camões (1995) e Prémio Nobel da Literatura (1998), o Inconformado, o Português que se preferia ver Ibérico, o Homem.

Tendo escrito livros tão memoráveis como Memorial do Convento, O Ano da Morte de Ricardo Reis, Jangada de Pedra ou o Ensaio sobre a Cegueira, entre outros, relembro aqui uma das suas crónicas, escrita em tom de conto de fadas moral, que convido vivamente à sua posterior leitura integral, e da qual cito os dois primeiros parágrafos e refrão:

"Era uma vez um rei que nascera com um defeito no coração e que vivia num grande palácio (como sempre costumam ser os palácios dos reis), cercado de desertos por todos os lados, menos por um. Seguindo o gosto da mazela com que viera ao mundo, mandara arrasar os campos em redor do palácio, de tal maneira que, assomando pela manhã à janela do seu quarto, podia ver desolação e ruínas até ao fim e ao fundo do horizonte.
E quem isto ler e não for contar,
Em cinza morta se há-de tornar.

Encostado ao palácio, da banda das traseiras, havia um pequeno espaço murado que parecia uma ilha e que ali calhara ficar por estar a salvo dos olhares do rei, que muito mais se comprazia nas vistas da fachada nobre. Um dia, porém, o rei acordou com sede de outros desertos e lembrou-se do quintal que um poeta da corte, adulador como a língua de um cão de regaço, já antes comparara a um espinho que picasse a rosa que, em seu dizer, era o palácio do monarca. Deu pois o soberano a volta à real morada, levando atrás de si os cortesãos e os executores das suas justiças, e foi olhar torvo o muro branco do quintal e os ramos das árvores que lá dentro tinham crescido. Pasmou o rei da sua própria indolência que consentira o escândalo e deu ordens aos criados. Saltaram estes o muro, com grande alarido de vozes e de serrotes, e cortaram as copas que por cima sobressaíam.

E quem isto ler e não for contar,
Em cinza morta se há-de tornar.

(...)"

(José Saramago, "A História do rei que fazia desertos" in A Bagagem do Viajante, Crónicas, 6ª Edição, Editorial Caminho, 1999, pp.111)
José Saramago deixa-nos em todos os seus escritos o seu exemplo, as suas ideias e alertas, para nossa reflexão e acção, para nos sacudir de uma dormência e cegueira no modo como nos encaramos e encaramos o mundo e no tipo de acção que exercemos sobre ele, lembrando-nos, que "as misérias do mundo estão aí, e só há dois modos de reagir diante delas: ou entender que não se tem a culpa e, portanto, encolher os ombros e dizer que não está nas suas mãos remediá-lo -e isto é certo -, ou, melhor, assumir que, ainda quando não está nas nossas mãos resolvê-lo, devemos comportar-nos como se assim fosse." (Fundação José Saramago: "Responsabilidade", comentário de José Saramago extraído de La Jornada, México, 3 de Dezembro de 1998)

E se nos comportarmos como se tivessemos nas nossas mãos o poder de mudar o mundo para melhor, pelo menos, humanamente entre nós, e ecologicamente, na salvaguarda de um património natural comum a todos e fundamental para a nossa própria sobrevivência enquanto espécie, conseguiremos mudar o mundo, todos os dias, uma acção, um lugar ou uma pessoa de cada vez, até sermos muitos, até sermos todos a ter a consciência de que é realmente nosso esse poder e é essa a nossa responsabilidade.

Visite-se também:


A Flor Mais Grande do Mundo



terça-feira, 18 de maio de 2010

Mais 10 museus portugueses na RPM

Hoje, 18 de Maio, Dia Internacional dos Museus, no Museu Regional de Beja, pelas 16h00, irá decorrer uma cerimónia oficial para a entrega da Credenciação de Qualidade da Rede Portuguesa de Museus a mais dez museus portugueses, presidida pelo Secretário de Estado da Cultura, Dr. Elísio Summavieille.

É igualmente este o décimo ano de existência da Rede Portuguesa de Museus, projecto responsável por uma reestruturação e exigência de máxima qualidade dos nossos museus, estando ainda em processo de avaliação as candidaturas para a obtenção de Credenciação de Qualidade e integração na RPM, de cerca de 60 outros museus.

Passa-se a enumerar a lista dos novos museus que integram agora a RPM, alguns dos quais com sites muito bons, em termos informativos e de webdesign, dois deles com existência online em blogues (clicar nos seus nomes ou imagens):

Tutela Municipal

Museu de Arte Pré-Histórica e do Sagrado do Vale do Tejo (Câmara Municipal de Mação);

Museu da Indústria de Chapelaria (Câmara Municipal de São João da Madeira);




Museu Marítimo de Ílhavo (Câmara Municipal de Ílhavo):




Museu Municipal de Estremoz (Câmara Municipal de Estremoz):




Museu Municipal de Ferreira do Alentejo (Câmara Municipal de Ferreira do Alentejo);

Museu do Convento dos Lóios (Câmara Municipal de Santa Maria da Feira);

Museu Municipal de Coimbra (Câmara Municipal de Coimbra).



Tutela de Assembleia Distrital


Museu Rainha D. Leonor / Museu Regional de Beja (Assembleia Distrital de Beja):





Tutela Privada (Empresarial)


Museu da Luz (EDIA, S.A. - Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva, S.A.):



Museu da Carris (Companhia de Carris de Ferro de Lisboa, S.A.):


domingo, 9 de maio de 2010

Os museus e a visita do Papa

Para comemorar a vinda de Sua Eminência o Papa Bento XVI a Portugal, o Ministério da Cultura determinou por despacho que, no dia 11 de Maio de 2010, as entradas serão gratuitas nos museus e palácios da tutela do IMC, IGESPAR e Direcções Regionais da Cultura, mantendo-se os seus museus, palácios, monumentos e sítios abertos, também nos dias 13 e 14 de Maio. É de aproveitar esta oportunidade única para um outro tipo de peregrinagem... cultural.

18 de Maio - Dia Internacional dos Museus


Este ano a ICOM propôs como tema para a comemoração do Dia Internacional dos Museus, "Os Museus e a Harmonia Social", enfatizando mais uma vez o papel dos museus no desenvolvimento das comunidades que servem e cuja memória guardam e interpretam, através de uma inter-relação viva e frutuosa, com acções culturais e científicas voltadas para os interesses e necessidades dessas comunidades, procurando-se promover assim uma cultura de bem estar e harmonia social.

A Newsletter do ICOM sobre este tema pode ser lida aqui.

Em Portugal, o programa das diversas iniciativas dos museus para o dia 18 de Maio, aparecerá em breve na página do IMC.

No dia 15 de Maio, a Noite dos Museus proporcionará aos visitantes, nos museus e palácios participantes, actividades culturais e festivas gratuitas, desde o final da tarde até cerca da meia-noite.

Foi o Ministère de la Culture et de la Communication, de França, que propôs em 1999 o acesso gratuito aos museus num Domingo de Primavera, ideia adoptada desde 2001 na Europa, pelos países signatários da Convenção Cultural do Conselho Europeu. A partir de 2005, sugeriu-se a comemoração da Noite Europeia dos Museus, de modo a atrair um público mais jovem às actividades culturais, na esteira do sucesso que uma iniciativa semelhante já estava a ter em museus de Berlim, Amesterdão, Zurique ou Bâle. A esta iniciativa é dedicado um sítio na Internet (Nuit des Musées) e um blogue (La Nuit Européenne des Musées) que se convidam a visitar e onde se podem obter mais informações.

Abaixo pode-se assistir ao vídeo de promoção da Noite Europeia dos Museus - bonito mas com pouca ou nenhuma informação...

E continua o derrame de petróleo para o oceano...

No Golfo do México o petróleo continua derramar-se no oceano. Este dispositivo disponibilizado pela PBS indica-nos a velocidade a que o derrame de petróleo continua a ocorrer, segundo a avaliação da NOAA (National Oceanic and Atmosphere Administration) - cerca de duzentos e dez mil barris por dia.



Acontece que esta estimativa, num cenário de desastre de dimensões ainda incalculáveis, surge como demasiado optimista na opinião de outros especialistas, que consideram que o derrame ocorre antes à velocidade de um milhão e cinquenta mil barris por dia. Já a própria BP, responsável pelo desastre, assume que, pelo contrário, estará a ocorrer um derrame de dois milhões, quinhentos e vinte mil barris de petróleo por dia...

Equipas da BP têm acorrido ao local a tentar conter o derrame através de várias medidas. Até agora, a equipa de engenheiros de Houston (Texas, EUA), apenas conseguiu fechar uma pequena fuga, através de robots de mergulho telecomandados. Ainda segundo a PBS, muitos milhares de barris de químicos têm sido lançados por aviões ao mar, para escumar e dispersar a mancha de crude à superfície, ou para a sua queima controlada. Uma medida inédita adoptada pela BP foi o transporte para o local de uma caixa-contentor de cerca de cem toneladas, de quatro andares de altura, em cimento e aço, que está a ser colocada sobre as fugas, a mil, quinhentos e vinte e quatro metros de profundidade, e que supostamente até segunda-feira canalizará oitenta e cinco porcento do petróleo para a superfície, controlando-se assim, ainda que temporariamente, este derrame intensivo. De qualquer modo, no Golfo do México o cenário vai permanecer dantesco.

Ao longo das costas do sul dos Estados Unidos encontram-se trinta mil voluntários de prevenção para conter danos caso o petróleo atinja as costas. De lembrar que é nesta zona do litoral norte-americano que se situa quase metade dos seus pântanos (áreas protegidas de delicada biodiversidade, fundamentais para aves migratórias e de difícil acesso e protecção contra estas marés negras) e onde se situam muitos portos de pesca.

Muitos esforços estão a ser feitos para remediar o mal, mas muitas dezenas de anos serão precisos para recuperar os danos causados (ainda a contabilizar) a este ecossistema.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

18 de Abril - Dia Internacional dos Monumentos e dos Sítios

Este ano a ICOMOS propôs um novo tema para a comemoração do Dia Internacional dos Monumentos e dos Sítios: "Património Rural/Paisagens Culturais". O IGESPAR, as Direcções Regionais da Cultura, os Municípios, os Museus e Instituições Culturais e Científicas, privadas e públicas, promovem iniciativas culturais em Portugal continental e ilhas - Açores e Madeira.

O programa das Comemorações pode ser consultado aqui:

sexta-feira, 19 de março de 2010

Malta, o paraíso dos caçadores ilegais, ignora regras da UE

Mais uma notícia da SPEA:

"Dezenas de milhares de aves migratórias voam em direcção ao Norte da Europa para os seus locais de alimentação e mais uma vez vão enfrentar esta Primavera outra temporada de caça de aves, indo contra a legislação europeia." O comunicado está disponível aqui.



Para mais informações contactar:
Luís Costa
Director Executivo da SPEA
TLM 91 692 1419,
e-mail luis.costa@spea.pt

Tolga Temuge,
BirdLife Malta
Executive Director
(356) 21 347 644-5